Eternamente lentamente




"agora tu eras como o tempo
despido dos dias, por fim
vulnerável e nu, e eu
era por ti adentro eternamente
lentamente
como só lentamente
se deve morrer de amor."

Valter Hugo Mãe

2 comentários:

  1. ... e assim sai um suspiro, imbuído de solenidade...

    ResponderEliminar
  2. Simples e eterno ... :O))

    ResponderEliminar